STJ nega liberdade a Humberto Braz, braço direito de Dantas

Além dele, outro envolvido no suborno do delegado teve pedido de habeas-corpus negado pelo Tribunal de SP

Felipe Recondo, de O Estado de S. Paulo,

25 Julho 2008 | 17h20

O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro César Asfor Rocha, negou nesta sexta-feira, 25, novo pedido de liberdade para Humberto José da Rocha Braz, ex-presidente da Brasil Telecom, considerado braço direito de Daniel Dantas, fundador do Banco Opportunity. Hugo Chicaroni, outro preso no caso de suborno a delegado da Polícia Federal, também teve a liberdade negada pelo Tribunal Regional Federal da 3ª região nesta sexta.   Veja também: Entenda como funcionava o esquema criminoso  TRF nega habeas-corpus e assessor de Dantas continua preso  As prisões de Daniel Dantas    Braz foi preso pela Polícia Federal durante a Operação Satiagraha, acusado, em parceria com Chicaroni, de oferecer US$ 1 milhão a um delegado da PF para que o nome de Dantas e dos familiares do banqueiro fossem excluídos das investigações. A tentativa de suborno foi filmada pela PF e usada como argumento para o pedido de prisão preventiva.   O Tribunal Regional Federal da 3ª região já havia negado, no início da semana, o pedido de liminar em habeas-corpus para que Braz fosse solto. Diante disso, seus advogados recorreram ao STJ. Ele pode recorrer agora ao Supremo Tribunal Federal (STF).   Braz e Hugo Chicaroni, também acusado da tentativa de suborno, são os únicos investigados pela PF que continuam presos. Os outros 22 envolvidos, incluindo Dantas, o investidor Naji Nahas e o ex-prefeito de São Paulo Celso Pitta, já foram soltos por decisão do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Gilmar Mendes.   Dantas, Braz e Chicaroni foram denunciados pelo Ministério Público por corrupção ativa. A denúncia foi aceita pelo juiz federal Fausto Martin De Sanctis, da 6ª Vara da Justiça Federal de São Paulo.

Mais conteúdo sobre:
Operação Satiagraha

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.