STJ mantém ordem de prisão contra promotor

Se for localizado pela polícia, o promotor de Justiça Igor Ferreira da Silva será levado direto para a cadeia. Hoje o ministro do Superior Tribunal de Justiça, Paulo Galotti, manteve a ordem de prisão contra o promotor foragido, que foi condenado a 16 anos e 4 meses de prisão pelo assassinato da sua mulher Patrícia Aggio Longo, grávida de sete meses.Os advogados do promotor entraram com habeas-corpus, tentando garantir ao cliente liberdade até o trânsito em julgado do processo. A defesa tentou convencer o STJ de que estaria sendo imposto ao promotor um "constrangimento ilegal", já que o Tribunal de Justiça de São Paulo "não teria demonstrado a necessidade da custódia do promotor condenado". Mas, para o ministro Galotti, o TJ-SP não errou. O parecer de Galotti segue agora para o Ministério Público e a decisão final sobre o habeas-corpus caberá à 6ª Turma do STJ.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.