STJ impede volta de brasileira aos EUA

Residente na cidade de New Jersey há 15 anos, a paulista Marli Rodrigues está impedida de retornar aos Estados Unidos porque apresentou documentos falsos para emissão de passaporte no Brasil. A decisão é da Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) que negou habeas-corpus à acusada de estelionato. Ré em um processo na Justiça brasileira, ela reivindica o direito de sair do País para cuidar do marido ferido no atentado ocorrido no World Trade Center, em Nova York, no último dia 11 de setembro. Em dezembro do ano passado, Marli estava com dificuldades para conseguir visto para regressar aos Estados Unidos depois de férias no Brasil e Portugal. Tentou, então, emitir um novo passaporte com o nome da mãe, Aparecida de Carvalho. Mas foi presa em flagrante na Superintendência da Polícia Federal, em Recife, portando carteira de identidade, certidão de nascimento e documento eleitoral falsos. Passou quatro dias na prisão de onde saiu depois de pagar fiança no valor de R$ 4 mil. O valor corresponde ao que ela desembolsou, segundo seu próprio relato, para conseguir os documentos falsos.No habeas-corpus impetrado no STJ, a paulista diz que adquiriu os papéis falsificados de um estelionatário na praia de Boa Viagem, em Recife. Marli explica que estava ansiosa para voltar a New Jersey, onde segundo conta, tem um açougue, e residência fixa. Naquela cidade, o marido estaria se recuperando de problemas respiratórios decorrentes da destruição das duas torres do World Trade Center. De acordo com a comerciante, ele acabara de sair do prédio no momento do atentado terrorista. Por causa disso, ele teve problemas cardíacos e está sob cuidados médicos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.