STJ divide processo que envolve três magistrados

A Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu separar o processo da Operação Têmis - investigação deflagrada em abril de 2007 para combate a suposto esquema de exploração de prestígio, tráfico de influência, prevaricação, corrupção e formação de quadrilha na Justiça Federal em São Paulo. O desmembramento foi decretado porque são citados no procedimento três desembargadores do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF 3), Nery Júnior, Alda Basto e Roberto Haddad, detentores de prerrogativa de foro no STJ.A divisão dos autos foi ordenada por unanimidade no julgamento de questão de ordem do ministro Felix Fischer, relator do caso. Ele argumentou que a denúncia do Ministério Público Federal, com 229 laudas e uma relação total de 16 acusados, só chegou ao STJ por causa do foro especial conferido aos três desembargadores. Os outros 13 investigados são advogados e empresários."Há dois anos estou com essa espada sobre minha cabeça", declarou o desembargador Nery Júnior. "O processo só já é uma pena. São acusações absolutamente sem provas, quero que tudo se decida logo, a verdade da Justiça está por chegar.""A defesa respeita a decisão do STJ, mas espera que a denúncia sequer seja recebida", disse o criminalista Antonio Claudio Mariz de Oliveira, advogado de Alda Basto. "As investigações não provaram, e nem poderiam provar, irregularidades da doutora Alda porque efetivamente ela sempre pautou sua vida profissional dentro dos limites da lei, da ética e da decência." FAUSTO MACEDO

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.