STF vai decidir onde devem tramitar ações sobre internet

Os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) decidirão em breve onde devem tramitar as ações que pedem indenização por supostos danos sofridos em decorrência de informações divulgadas na internet. A Corte definirá se esses processos devem tramitar na cidade do suposto ofensor ou na da vítima. A decisão servirá de parâmetro para outros processos que tramitam na Justiça contra veículos de comunicação e jornalistas.

AE, Agencia Estado

09 Outubro 2009 | 14h02

Esse é um problema recorrente na Justiça. Num país com dimensões continentais, a falta de regras sobre onde essas ações devem tramitar pode inviabilizar o direito de defesa, principalmente de veículos de pequeno porte, e funcionar como instrumento de intimidação.

Em 2008, o jornal "Folha de S.Paulo" sofreu com esse problema. Fiéis da Igreja Universal protocolaram dezenas de ações na Justiça, em diversas partes do País. Os processos eram independentes, ou seja, cada um tramitava numa cidade ou Estado diferente. Os fiéis se diziam ofendidos por reportagem na qual era relatada a história de como a igreja tinha construído um conglomerado empresarial.

No mês passado, o Tribunal de Justiça (TJ) do Distrito Federal decidiu transferir de Brasília para a Justiça Federal no Maranhão ação na qual o Estado foi censurado. Em 31 de julho, o jornal foi proibido de divulgar reportagem sobre a Operação Boi Barrica, da Polícia Federal, que investigou o empresário Fernando Sarney, filho do senador José Sarney (PMDB-AP). A censura persiste até agora. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Mais conteúdo sobre:
Justiça censura STF

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.