Viola Junior/Camara dos Deputados
Viola Junior/Camara dos Deputados

STF retoma julgamento de Nelson Meurer nesta terça

Deputado federal do PP-PR e seus dois filhos são réus pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro; quantia supera R$ 350 milhões

O Estado de S.Paulo

22 Maio 2018 | 06h00

A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) retoma o julgamento da ação penal do deputado federal Nelson Meurer (PP-PR) nesta terça-feira, 22. Trata-se do primeiro julgamento de uma ação penal da Operação Lava Jato na Suprema Corte. Os trabalhos começaram na terça-feira, 15, se estenderam por cinco horas e foram adiados, ainda sem definição. Caso seja condenado, o parlamentar pode perder o mandato e até ser preso.  

+ Conheça Nelson Meurer, o primeiro político alvo da Lava Jato a ser julgado no STF

O parlamentar e seus dois filhos, Nelson Meurer Júnior e Cristiano Augusto Meurer, são réus pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro por conta de recursos desviados da Petrobrás, que totalizaram R$ 357,9 milhões entre 2006 e 2014. A Segunda Turma é composta pelos ministros Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski, Celso de Mello, Edson Fachin e Gilmar Mendes. 

Meurer se tornou réu em junho de 2016, quando a Segunda Turma aceitou a denúncia apresentada pela Procuradoria-Geral da República (PGR). Segundo a PGR, houve pelo menos 161 repasses ao PP e ao deputado no esquema que envolvia também o ex-diretor da Petrobrás Paulo Roberto Costa e o doleiro Alberto Yousseff. Em troca, o PP deu apoio à permanência de Costa no cargo estratégico.

+ Com 21 deputados investigados, PP é a 2ª maior bancada da Câmara

Meurer, que está em seu sexto mandado consecutivo como deputado federal, deve ser o primeiro réu com prerrogativa de foro a ser julgado na Lava Jato em virtude do risco de prescrição da denúncia - previsto para 21 de junho.

O parlamentar nega ter recebido valores ilícitos do esquema Petrobrás e alega que houve cerceamento do direito de defesa em virtude da negativa de se ouvir mais testemunhas e da realização de perícia. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.