STF rejeita por unanimidade recursos de ex-líder do PP

O Supremo Tribunal Federal (STF) rejeitou, por unanimidade, nesta quarta-feira, 28, os embargos de declaração apresentados pelo deputado Pedro Henry (PP-MT). Ele era líder do PP na Câmara na época do esquema mensalão realizado no primeiro governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

ERICH DECAT, Agência Estado

28 de agosto de 2013 | 18h08

De acordo com o Ministério Público, Henry participou das negociações que acarretaram no repasse de ao menos R$ 3 milhões do "valerioduto" ao PP. Ele também teria utilizado a corretora Bônus Banval para distribuir o dinheiro.

Henry foi condenado a 7 anos e 2 meses de prisão mais pagamento de multa (R$ 932 mil) pelos crimes de lavagem de dinheiro e corrupção passiva. Ele foi absolvido, entretanto, pelo crime de formação de quadrilha.

Na sessão desta quarta, os ministros rejeitaram os recursos em que o deputado, entre outros pontos, reivindica a redução das penas uma vez que considera que teve uma participação menor no esquema. Para o parlamentar também houve contradição e desproporcionalidade à pena aplicada a ele no caso de corrupção (2 anos e 6 meses) em comparação com a aplicada a José Genoino (3 anos e 6 meses).

Após os ministros se posicionarem contra os embargos, o presidente do STF, Joaquim Barbosa, encerrou a sessão que deve ser retomada apenas nesta quinta-feira, 29.

Tudo o que sabemos sobre:
mensalãojulgamentoPP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.