STF rejeita denúncia de falsidade ideológica contra Valério

Supremo decide ainda nesta terça sobre abertura de ação contra Duda Mendonça e sua sócia Zilmar Fernandes

28 de agosto de 2007 | 10h30

O Supremo Tribunal Federal (STF) rejeitou, nesta terça-feira, 28, a denúncia de falsidade ideológica contra o publicitário Marcos Valério. A acusação do procurador-geral da República, Antonio Fernando de Souza, era de que o Valério teria usado sua esposa Renilda para ocultar sua participação na SMP&B.   Veja também: STF julga processo contra Duda Mendonça e sua sócia Zilmar Dirceu, Delúbio e Genoíno agora são réus no STF  Passo-a-passo do julgamento do mensalão no STF   Veja imagens do quarto dia de julgamento  Para defesa, denúncia é confusa e açodada Conjur explica diferenças de processo no caso dos mensaleiros  Quem são os 40 do mensalão  Deputados na mira: os cassados, os absolvidos e os que renunciaram  Entenda: de uma câmera oculta aos 40 do mensalão  Íntegra da denúncia  Veja quem já virou réu no processo       O ministro Celso Brito foi o único que acatou a denuncia. O relator, ministro Joaquim Barbosa, avaliou que a denúncia não demonstra a suposta falsidade ideológica do publicitário.   O STF entra no quinto dia de julgamento - e provavelmente último - de abertura de processo sobre o esquema do mensalão. Nesta terça, o Supremo decide sobre a abertura de ação penal por lavagem de dinheiro e evasão de divisas contra o publicitário José Eduardo Cavalcanti de Mendonça, o Duda Mendonça, e sua sócia Zilmar Fernandes.   Das 40 pessoas apontadas pelo procurador-geral da República, de envolvimento com o esquema do mensalão, os dois publicitários são os únicos que ainda não passaram por nenhum julgamento do Tribunal.   O STF já acatou denúncia contra 37 acusados. Na segunda-feira, o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu, o ex-presidente do PT José Genoino e o ex-tesoureiro petista Delúbio Soares tornaram-se réus em ação penal por corrupção ativa. O ex-secretário-geral do PT Sílvio Pereira foi inocentado dessa acusação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.