STF quer antecipar pagamento de plano de cargos e salários

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Marco Aurélio Mello, esteve nesta segunda-feira com o presidente Fernando Henrique Cardoso para tentar convencer o governo a antecipar o pagamento da última parcela do Plano de Cargos e Salários (PCS) dos servidores do Judiciário, que representará reajustes consideráveis para a categoria.Pelo acordo fechado recentemente entre o Executivo e o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Nelson Jobim, a implantação do PCS se daria em quatro parcelas e seria concluída em 2005. Mas alguns dos sindicalistas consideraram que 2005 era muito tarde e pediram que o Judiciário se empenhasse para tentar antecipar essa data.O acordo entre os dois Poderes foi pressionado pela greve realizada por cerca de 60% dos servidores do Judiciário da União. Em Brasília, após quase um mês de paralisação e diante da proposta de implantação do PCS em quatro parcelas, os funcionários dos tribunais resolveram suspender o movimento.Apesar da concordância do governo para que o aumento seja de fato dado, o Congresso terá de aprovar o projeto que prevê o estabelecimento do plano de cargos e salários. Além do PCS, a Justiça encaminhou recentemente ao Congresso um projeto propondo que os salários dos ministros e juízes da União seja reajustado.Pela proposta, a maior remuneração no STF passaria dos atuais R$ 14,1 mil para R$ 17,1 mil. Como conseqüência, haveria um aumento em cascata para os ministros e juízes federais, trabalhistas e militares.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.