STF processa Jader Barbalho por desvio de recursos

Negociador do PMDB junto ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o deputado Jader Barbalho é acusado, em uma ação criminal aberta pelo Supremo Tribunal Federal (STF), de envolvimento com desvio de recursos públicos no processo de desapropriação do imóvel rural Vila Amazônia por meio da supervalorização da indenização. O Ministério Público Federal, que fez a denúncia ao STF, suspeita que foi praticado o crime de peculato. A desapropriação ocorreu em 1988, quando o deputado era ministro da Reforma Agrária. As terras, situadas no município de Parintins, no Estado de Amazonas, seriam usadas na reforma agrária.De acordo com informações divulgadas pelo STF, a indenização foi estipulada em CZ$ 7.543.426,45. Mas os proprietários recusaram a avaliação e propuseram um acordo no valor de CZ$ 313.120.000. O então secretário de assuntos funcionários, Antônio César Pinho Brasil, concluiu que o valor era justo. O acordo foi aprovado por Jader Barbalho, segundo informou o STF. A ação penal aberta nesta sexta-feira, 10, pelo STF não é a primeira na qual Jader Barbalho é réu. Existem outras quatro tramitando no Supremo, informou o advogado do congressista, Eduardo Alckmin. Em duas delas, o parlamentar é acusado de desvios de recursos destinados a projetos da extinta Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia (Sudam), localizados em Tocantins e no Mato Grosso.Em outra ação, o deputado é acusado de envolvimento com o desvio de recursos do Banco do Estado do Pará (Banpará) entre outubro de 1984 e agosto de 1985. Naquela época ele exercia o cargo de governador do Pará. No entanto, o STF concluiu recentemente que parte das acusações já prescreveu. O parlamentar também responde a outra ação no STF por suposta remessa ilegal de divisas para o exterior.Matéria ampliada às 22h11

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.