STF pode investigar deputados da Operação Miqueias

O desembargador Cândido Ribeiro, do Tribunal Regional Federal da Primeira Região, remeteu os autos da Operação Miqueias, da Polícia Federal, para o Supremo Tribunal Federal (STF) na noite desta quarta-feira, 2. A investigação desbaratou um esquema de desvio de dinheiro de fundos de pensão estadual e municipal. O jornal O Estado de S. Paulo revelou, no dia 19 de setembro, que deputados federais são citados na operação, o que justifica a remessa para o Supremo. Os congressistas só podem responder a inquérito no STF. A quadrilha também tentou aliciar senadores.

ANDREZA MATAIS E FÁBIO FABRINI, Agência Estado

02 de outubro de 2013 | 19h49

O envolvimento dos políticos com foro privilegiado foi captado pela operação da PF nos chamados encontros fortuitos. Essa parte da investigação é que será remetida ao STF por determinação da Justiça, que atendeu ao pedido da delegada Andrea Pinho Albuquerque. A delegada quer que o envolvimento de congressistas seja investigado de forma mais aprofundada.

Integrantes da suposta organização criminosa aliciavam prefeitos e políticos com mandato para que conseguissem investir recursos dos fundos de pensão estadual e municipal em títulos direcionados pelo esquema e que dariam prejuízos aos servidores públicos.

Tudo o que sabemos sobre:
TRFSTFOPERAÇÃO MIQUEIAS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.