Wilson Pedrosa|Estadão
Wilson Pedrosa|Estadão

STF pede informações a Moro sobre prisão de João Santana

Defesa do marqueteiro do PT havia questionado autoridade de Moro para conduzir as investigações; segundo advogados de Santana, por apurar campanhas eleitorais de Lula e Dilma caso deveria ser encaminhado ao TSE

Gustavo Aguiar, O Estado de S.Paulo

14 de março de 2016 | 18h51

Brasília - O ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), pediu nesta segunda-feira, 14, que o juiz Sérgio Moro apresente informações sobre a prisão do marqueteiro do PT João Santana em uma ação da defesa do publicitário para que a Suprema Corte anule sua prisão.

Santana está preso desde 23 de fevereiro, quando foi deflagrada a 23ª fase da Operação Lava Jato, denominada Acarajé. A força-tarefa da Lava Jato investiga supostos pagamentos de U4$ 3 milhões ao marqueteiro pela Odebrecht em paraísos fiscais para financiar campanhas eleitorais do PT.  

A defesa de Santana questiona a autoridade de Moro para conduzir as investigações contra ele porque “se trata de apurar a ocorrência de possíveis crimes eleitorais, que envolvem, ao que tudo indica, autoridades detentoras de prerrogativa de foro”.

De acordo com os advogados do marqueteiro, as investigações sempre tiveram como objetivo as campanhas eleitorais do ex-presidente Lula e da presidente Dilma Rousseff e, por isso, deveriam ser encaminhadas pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e não pela Justiça Federal do Paraná.

Moro também decretou a prisão temporária de Mônica Moura, mulher e sócia de Santana na empresa Polis Propaganda e Marketing, que fez as campanhas de Dilma em 2010 e 2014. O nome de Mônica apareceu para os investigadores durante busca e apreensão em endereço do lobista Zwi Skornicki, representante da Keppel Fels, estaleiro de Cingapura que prestou serviços à Petrobrás e seria o operador da propina paga pela empresa no país.

A Keppel Fels firmou contratos com a Petrobrás entre 2003 e 2009 no valor de US$ 6 bilhões. Skornicki também foi preso preventivamente durante a Operação Acarajé.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.