André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

STF nega indenização ao Mato Grosso por desapropriação de terras no Parque do Xingu

Em uma vitória das comunidades indígenas, ministros reconheceram, por unanimidade, que União não terá de pagar o Estado pela desapropriação de terras no Parque Indígena do Xingu

Rafael Moraes Moura, O Estado de S.Paulo

16 Agosto 2017 | 14h55

BRASÍLIA - Por unanimidade, o Supremo Tribunal Federal (STF) negou nesta quarta-feira, 16, pedidos de indenização feito pelo Estado de Mato Grosso por conta da desapropriação de terras incluídas no Parque Indígena do Xingu e nas reservas indígenas Nambikwára e Parecis. Com a vitória nos dois casos levados a julgamento nesta manhã, a União evitou uma perda de mais de R$ 2 bilhões, segundo a Advocacia-Geral da União (AGU).

Em 1986, o Estado do Mato Grosso ajuizou uma ação contra a União e a Fundação Nacional do Índio (Funai), alegando que foram incluídas no perímetro do Parque Indígena do Xingu terras devolutas que pertenceriam ao Estado. Terras devolutas são terras públicas que em nenhum momento integraram o patrimônio particular, ainda que estejam irregularmente em posse de particulares.

Procurado pela reportagem, o governo de Mato Grosso informou que aguarda a publicação do acórdão e vai cumprir a decisão.

A Funai contestou as autoridades mato-grossenses, argumentando que as terras em questão são tradicionalmente povoadas por índios.

 “A prova coligida no processo é farta no sentido de que não apenas a totalidade das terras integrantes do Parque Indígena do Xingu é de tradicional ocupação indígena como também muitas das áreas adjacentes”, disse o ministro Marco Aurélio Mello, relator das duas ações.

Em seu voto, Marco Aurélio mencionou laudo antropológico e estudos arqueológicos que comprovam a ocupação indígena em diversos pontos da região há pelo menos 800 anos.

“As observações do Estado autor não têm o efeito de afastar as conclusões do último laudo, podendo-se afirmar que as terras que passaram a compor o Parque Xingu não eram de titularidade do Estado de Mato Grosso, pois ocupadas, historicamente, por povos indígenas”, concluiu Marco Aurélio Mello.

O ministro Alexandre de Moraes concordou com o relator. “Não existe terra devoluta de ocupação indígena. Não há como se negar essa ocupação tradicional dos indígenas. A propriedade, o domínio não passou para o Estado em momento algum. A União não precisa indenizar o Estado pela utilização das suas próprias terras”, observou Moraes.

Além de Moraes, acompanharam o relator os ministros Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Rosa Weber, Ricardo Lewandowski e a presidente da Corte, Cármen Lúcia. 

O ministro Gilmar Mendes se declarou impedido no caso do Parque Indígena do Xingu, mas seguiu o entendimento de Marco Aurélio no julgamento das reservas indígenas Nambikwára e Parecis.

O STF também condenou o Estado do Mato Grosso a arcar com as despesas processuais em favor da União e da Funai, pagando honorários advocatícios no valor de R$ 100 mil (R$ 50 mil de cada caso).

Procurado pela reportagem, o governo do Mato Grosso informou que aguarda a publicação do acórdão e vai cumprir a decisão.

Ausências. Não compareceram à sessão desta manhã os ministros Luiz Fux, Dias Toffoli e Celso de Mello. 

Em nota, o gabinete de Toffoli informou que o ministro se submeteu nesta manhã a um procedimento para tratamento de lesão na tireoide diagnosticada precocemente. “O ministro passa bem e estará de licença para tratamento de saúde até o dia 21 de agosto de 2017”, diz a nota.

Nesta semana, grupos indígenas têm realizado protestos em Brasília contra as propostas. Diversas organizações, como o Conselho Indigenista Missionário (Cimi) e a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) tentam sensibilizar o Supremo e a oponião pública sobre o assunto, com a divulgação da campanha “Nossa história não começa em 1988! #MarcoTemporalNão”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.