STF não vai adotar horário sugerido pelo governo

Apesar dos apelos do Executivo para que o expediente nas repartições públicas fosse encerrado às 17 horas durante o período de racionamento de energia, o presidente do Supremo Tribunal Federal, Carlos Velloso, disse que vai propor aos demais ministros da Corte que as sessões de julgamento continuem ocorrendo até as 18 horas. Para justificar essa posição, Velloso disse que o tribunal está abarrotado de processos. O presidente do Supremo afirmou, no entanto, que os funcionários da secretaria seriam dispensados às 17 horas, como forma de cumprir a determinação do Executivo. Segundo Velloso, o tribunal já tomou várias medidas de contenção de gastos com energia, como a adoção de lâmpadas inteligentes. Com as mudanças, teria ocorrido uma economia de 30%, de acordo com o presidente do Supremo. O Superior Tribunal de Justiça (STJ) também tomou medidas para conter os gastos com energia. Desde a semana passada, as luzes das áreas de circulação do tribunal foram reduzidas ao mínimo necessário, alguns elevadores foram desligados e a iluminação da fachada do prédio também foi diminuída. No Tribunal Superior do Trabalho (TST), decidiu-se revisar a iluminação geral do prédio, desligar elevadores e luzes ornamentais e reduzir o período em que a central de ar condicionado ficará ligada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.