STF não sofreu pressões ao julgar mensalão, diz Genro

O ministro da Justiça, Tarso Genro, afirmou hoje, em entrevista coletiva, que o Supremo Tribunal Federal (STF) não sofreu pressões nem agiu sob influência política no julgamento em que decidiu transformar em réus os 40 acusados de envolvimento no esquema do mensalão. No entender de Genro, a afirmação do ministro Ricardo Lewandowski, publicada pelo jornal Folha de S.Paulo, de que os ministros do Supremo votaram "com a faca no pescoço" é uma expressão "normal, que se usa muito comumente em momentos de tensão política"."Ele (Lewandowski) quis dizer o óbvio, mas a expressão não quer dizer que tenha havido alguma influência sobre os ministros e sobre o STF. É uma constatação normal em casos de grande repercussão", disse Genro Ele acrescentou que não acredita "em pressão política para condenar ou absolver nem que o STF se submeta a esse tipo de pressão". Genro reconheceu que o STF sofre, efetivamente, o efeito da opinião pública, da pressão que se forma na sociedade, mas que os julgadores terão independência para prevalecer o aspecto jurídico. Outro episódio - uma troca de e-mails entre Lewandowski e a ministra Cármen Lúcia, publicada pelo jornal O Globo - não teve, na opinião do ministro da Justiça, "influência na decisão do STF, porque, se assim fosse, a vontade dos ministros seria uma vontade frágil".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.