STF mantém pena imposta a ex-diretor do Banco Rural

O Supremo Tribunal Federal (STF) rejeitou nesta quarta-feira, 21, por unanimidade, embargo de declaração apresentado por José Roberto Salgado, diretor do Banco Rural à época do mensalão. Salgado foi condenado a 16 anos e 8 meses de prisão mais o pagamento de multa de R$ 1 milhão pelos crimes de formação de quadrilha, lavagem de dinheiro, gestão fraudulenta, evasão de divisas.

ERICH DECAT, Agência Estado

21 de agosto de 2013 | 19h00

Os embargos de declaração a princípio não têm poder de reverter a decisão tomada pelos ministros. Eles são utilizados esclarecer eventuais "omissões, contradições ou obscuridades" no acórdão.

Em cerca de 30 recursos apresentados, a defesa de José Roberto Salgado alegou, entre outros pontos, que houve obscuridade e omissão nos crimes de lavagem de dinheiro e de evasão de divisas, e omissão quanto sua autoria no crime de gestão fraudulenta. Os ministros, entretanto, rejeitaram todos os embargos.

O próximo recurso analisado deve ser o apresentado por Vinícius Samarane. Também está na pauta desta quarta os embargos de Marco Valério e do ex-tesoureiro do PT Delubio Soares.

Tudo o que sabemos sobre:
STFmensalãoBanco Rural

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.