STF mantém liberdade a dono da Construtora Gautama

O Supremo Tribunal Federal (STF) confirmou hoje a revogação da prisão preventiva do dono da Construtora Gautama, Zuleido Veras. Zuleido havia sido detido pela Polícia Federal (PF) em maio, na Operação Navalha, que desmantelou um esquema de fraudes em licitações de obras públicas. Além dele, tiveram os habeas-corpus ratificados outros dois suspeitos, os advogados Alexandre Maia Lago, sobrinho do governador do Maranhão, Jackson Lago (PDT), e Márcio Fidelson Menezes Gomes. Com as decisões, Zuleido, Maia Lago e Gomes continuarão em liberdade. A prisão preventiva do dono da Construtora Gautama, apontado nas investigações como chefe do bando, havia sido decretada pela ministra Eliana Calmon, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), relatora do inquérito instaurado com as apurações da PF. Posteriormente, Eliana resolveu manter a ordem após Zuleido permanecer em silêncio durante um depoimento. A atitude do dono da construtora, segundo o STF, é um direito constitucional de qualquer investigado. Por entender que a prisão de Zuleido e de outros acusados para a obtenção de depoimentos não fazia sentido, o ministro Gilmar Mendes, do STF, concedeu ainda em maio liminares para os libertar.

ELVIS PEREIRA, Agencia Estado

11 de março de 2008 | 19h12

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.