Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

STF livra governos de dívida de empresas terceirizadas

O Supremo Tribunal Federal (STF) isentou hoje a administração pública de arcar com dívidas trabalhistas de empresas que prestam serviços para órgãos governamentais por meio de contratos de terceirização. Por maioria de votos, os ministros da Corte confirmaram a constitucionalidade de um artigo da Lei de Licitações que já livrava a administração de pagar essa conta.

MARIÂNGELA GALLUCCI, Agência Estado

24 de novembro de 2010 | 18h16

Havia grande expectativa de funcionários terceirizados, inclusive do STF, para que o tribunal declarasse inconstitucional essa isenção. No ano passado, uma empresa que fornecia mão de obra terceirizada para o Supremo não pagou os salários em dia. Tempos depois a empresa deixou de operar. Os funcionários cobram na Justiça o recebimento das verbas rescisórias.

A ação julgada hoje pela Corte foi proposta pelo governo do Distrito Federal, que pedia que o STF decidisse se era ou não constitucional o artigo da Lei de Licitações segundo o qual a administração pública não é responsável pelos débitos trabalhistas de funcionários terceirizados.

A ação foi aberta porque existiam decisões da Justiça que determinavam à administração que arcasse com a conta. Até o Tribunal Superior Eleitoral (TST) já tinha se manifestado sobre o assunto e chegou a editar um enunciado responsabilizando subsidiariamente a administração pública direta e indireta pelos débitos trabalhistas.

Cuidado

Vencido no julgamento de hoje, o ministro Carlos Ayres Britto disse que, na prática, quando um órgão público abre uma licitação para contratação de mão de obra terceirizada, a empresa reduz muito seus preços para ganhar o processo.

Segundo ele, depois de receber o dinheiro, não paga os funcionários.

Para o ministro, se a administração tivesse uma responsabilidade subsidiária em relação aos débitos trabalhistas, o poder público teria muito mais cuidado na hora de lançar uma licitação para contratar uma empresa terceirizada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.