STF julga a ação mais antiga na fila da Corte: uma concessão de terras de 1959

Após 53 anos, tribunal validou contratos feitos com empresas para a colonização do Mato Grosso

Mariângela Galluci, de O Estado de S. Paulo,

15 de março de 2012 | 18h13

BRASÍLIA - Depois de quase 53 anos, o Supremo Tribunal Federal (STF) julgou nesta quinta-feira, 15, a ação mais antiga em tramitação na Corte. Apesar de ter reconhecido ilegalidades, o STF validou contratos de concessão de terras públicas feitos com diversas empresas para colonização do Estado de Mato Grosso. A ação original foi protocolada no STF em 17 de junho de 1959.

Por 5 votos a 3, os ministros do Supremo concluíram que, com o passar de tantos anos, as situações já estavam consolidadas e era impossível voltar atrás. O relator da ação, Cezar Peluso, destacou a singularidade do caso e os reflexos nos âmbitos social e econômico, que seriam catastróficos, segundo ele, caso a ação fosse julgada procedente. No local, foram construídas cidades e aeroportos, por exemplo.

Para a minoria dos ministros, o STF não poderia dar o aval para os contratos já que eles desobedeceram a Constituição da época, de 1946. Pelo texto constitucional vigente na ocasião, a concessão de áreas superiores a 10 mil hectares deveria ser aprovada pelo Senado, o que não ocorreu no caso. "Sem prévia autorização do Senado Federal, não se fará qualquer alienação ou concessão de terras públicas com área superior a dez mil hectares", estabelecia a Constituição de 1946.

No caso analisado hoje pelo STF, a concessão envolveu 200 mil hectares de terra. Os ministros contrários observaram que a área equivale a duas vezes o Estado de Sergipe.

Tudo o que sabemos sobre:
STFterraMT

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.