STF joga ´balde de água fria´ na reforma política, diz ministro

O ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, disse nesta sexta-feira em Curitiba, onde participou de um encontro do PT regional, que a declaração de inconstitucionalidade da regra da cláusula de barreira pelo Supremo Tribunal Federal (STF) "joga um balde de água fria" no debate sobre a reforma política. "Provavelmente tira grande parte da possibilidade de se fazer a reforma política", salientou. "Talvez tenhamos que reavaliar nossa estratégia, se vale a pena jogar peso (na reforma política) e depois sofrer uma derrota no Supremo, não conseguir avançar." De acordo com ele, a cláusula faria uma modificação no sistema partidário e político. "Foi votada em 96, com antecedência, mas na hora em que vai entrar em vigor não vale", lamentou. "Com certeza é indicador de que dificilmente conseguiremos avançar." O mesmo posicionamento foi demonstrado pelo presidente do PT paranaense e deputado federal eleito, André Vargas. "É um verdadeiro absurdo, um retrocesso", afirmou. "Os partidos de aluguel devem ser banidos da política e a cláusula de barreira promovia isso." Para ele, a reforma política fica paralisada. "Como vamos discutir fidelidade partidária se cada pessoa pode formar um partido com critérios muito frágeis?" questionou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.