STF executará sentença com rapidez, diz ex-procurador

Antonio Fernando de Souza disse que 'os ministros estão julgando com publicidade e com isenção'

Eduardo Bresciani, de O Estado de S. Paulo e Ricardo Brito, da Agência Estado

22 de novembro de 2012 | 15h45

BRASÍLIA - Autor da denúncia do processo do mensalão em 2006, o ex-procurador-geral da República Antonio Fernando de Souza afirmou nesta quinta-feira, 22, acreditar que o Supremo Tribunal Federal (STF) executará a sentença da ação com "rapidez". "Creio que o ministro Joaquim e toda a Corte fará a execução com a rapidez que ela reclama", disse o ex-chefe do Ministério Público, na chegada à solenidade de posse do ministro Joaquim Barbosa na presidência do Supremo.

Segundo Antonio Fernando, o acórdão do processo do mensalão - íntegra da decisão - será publicado logo. Somente a partir da divulgação da decisão é que os advogados podem recorrer da decisão. Os réus condenados, entre eles o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu, só vão cumprir as sentenças após esgotarem todas as possibilidades de recurso.

Para o ex-chefe do MPF, o resultado do julgamento do mensalão "é justo quando o colegiado examina as provas e toma a sua decisão". "Os ministros estão julgando com publicidade e com isenção". A respeito da assunção de Joaquim Barbosa ao posto máximo do Judiciário, o ex-procurador-geral afirmou que considera o ministro "coerente" e espera também que ele seja "um bom administrador".

Artistas. O cantor Martinho da Vila e o ator Lázaro Ramos são algumas das celebridades presentes à posse de Joaquim Barbosa na presidência do STF. Eles destacaram a postura do ministro no processo do mensalão e o fato de ele ser o primeiro negro a comandar um poder no País. "É um cara que dialoga com o que a sociedade quer, que se mostra de acordo com o anseio da sociedade", disse Lázaro Ramos.

"É um momento importante, não só pela negritude, mas por ser pobre, filho de pobre, é um estímulo para os jovens de hoje", afirmou Martinho da Vila. O cantor usou a música "Sonho de um Sonhador" como a ideal para o momento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.