Joedson Alves|Estadão
Joedson Alves|Estadão

STF encerra inquérito que ligava Roseana a desvios

Investigação não conseguiu confirmar denúncia de propina feita pelo delator Paulo Roberto Costa

Rafael Moraes Moura e Breno Pires, O Estado de S.Paulo

25 de novembro de 2016 | 23h14

BRASÍLIA - O ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu nesta sexta-feira arquivar um inquérito contra a ex-governadora do Maranhão Roseana Sarney e o senador Edison Lobão (PMDB-MA). O inquérito havia sido aberto com base em delação premiada do ex-diretor de abastecimento da Petrobrás Paulo Roberto Costa, no âmbito da Operação Lava Jato.

Em sua delação, Paulo Roberto Costa contou que Roseana recebeu R$ 2 milhões para a sua campanha ao governo do Maranhão em 2010, após uma solicitação de Lobão (na época, ministro de Minas e Energia) ao ex-diretor de abastecimento da Petrobrás.

Também investigado, o doleiro Alberto Youssef negou em depoimento que tivesse feito a entrega de valores para a campanha da peemedebista.

Bloqueio. Teori acolheu a manifestação do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que havia pedido o arquivamento da investigação.

Segundo Janot, não foram colhidos “elementos probatórios ao longo da instrução procedimental aptos a corroborar às declarações do colaborador Paulo Roberto Costa”.

“Certo é que não há nos autos notícia de elementos de prova que corroboraram essas hipóteses factuais, tampouco se vislumbram, no presente momento, caminhos apuratórios passíveis de obtê-los”, ressaltou Janot.

“Portanto, considerando o amplo espectro de diligências já realizadas, a partir das informações existentes a respeito dos fatos aqui versados, não se vislumbra outras medidas que pudessem ser adotadas, neste momento, para coleta de elementos probatórios visando ao esclarecimento das hipóteses levantadas”, concluiu o procurador-geral da República.

Repercussão. Para o advogado Antônio Carlos de Almeida Castro, defensor de Roseana, nada foi provado porque se tratava de uma “mentira deslavada” de Paulo Roberto Costa.

“Foi um período de dois anos de investigações e com várias diligências expondo Roseana a um constrangimento desnecessário. Nada foi provado porque era uma mentira deslavada do delator (Paulo Roberto Costa). Esse arquivamento, embora tardio, resgata, nesse ponto de vista, a verdade”, disse o advogado, em nota. “Para Roseana, que ficou sendo investigada desnecessariamente, é uma vitória. Este era o único inquérito em que Roseana era investigada. Embora a demora nas investigações tenha causado um enorme prejuízo pessoal e político, para Roseana a Lava Jato é uma página do passado”, acrescentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.