STF deve retomar o teto nos Estados, derrubado pelo CNJ

O Supremo Tribunal Federal (STF) deve derrubar a decisão do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) da última terça-feira, 6, que permitiu a manutenção de supersalários de desembargadores dos Estados de São Paulo, Minas Gerais e Rio Grande do Sul e do Distrito Federal. O procurador-geral da República, Antonio Fernando de Souza, anunciou que vai estudar a decisão do CNJ. "Algumas coisas me pareceram equivocadas", afirmou Souza na última quarta-feira. Além do procurador-geral, o Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) vai discutir na próxima semana a decisão do CNJ para definir se ela será contestada no Supremo. O presidente nacional da OAB, Cezar Britto, teme o efeito multiplicador da decisão do CNJ. "Esse teto foi quebrado para algumas pessoas e nada impede que seja quebrado de novo, mais uma vez e assim por diante", afirmou. Uma semana antes de o CNJ permitir a manutenção dos supersalários em tribunais de Justiça estaduais, o STF havia concluído que os desembargadores podem ganhar no máximo R$ 24,5 mil incluídas eventuais gratificações por exercício de função de direção de tribunal, como presidência e corregedoria. Na ocasião, os ministros observaram que o salário de desembargador que não tem função diretiva deve ser de R$ 22,1 mil.Ao autorizar a manutenção de salários superiores a R$ 24,5 mil em São Paulo, por exemplo, o CNJ reconheceu o direito de os desembargadores paulistas continuarem a ganhar uma gratificação conhecida como sexta parte que aumenta em até R$ 3 mil os salários. No entanto, segundo um dos ministros do STF, isso não poderia ter sido feito porque representou, na prática, o fim do teto salarial. Ele observou que o salário de ministro do Supremo (R$ 24,5 mil), que deveria ser o teto do funcionalismo público, pode se transformar em piso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.