STF deve decidir data de saída de arrozeiros da Raposa nesta 5ª

Segundo relator do processo, ministro Ayres Britto, Supremo poderá dar prazo maior para a retirada da reserva

Leonencio Nossa, da Agência Estado,

19 de março de 2009 | 11h21

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Carlos Ayres Britto, disse nesta quinta-feira, 19, que deve ser decidido hoje no plenário a data de saída dos arrozeiros da nova reserva indígena Raposa Serra do Sol em Roraima. Em entrevista no Palácio do Planalto, onde se encontrou com o presidente Lula, Ayres Britto informou que os ministros do STF vão analisar também cada ressalva apresentada no voto do ministro Carlos Alberto Direito que, como a maioria, votou pela criação do território dos índios.

 

Veja Também:

video Assista aos votos dos ministros

mais imagens Galeria de fotos da sessão no STF

blog Blog: acompanhe ao vivo o julgamento

forumVocê é contra ou a favor da demarcação contínua?

especialA disputa pela Raposa Serra do Sol 

especialEntenda a sessão do STF e veja como votaram os ministros em outras questões 

documentoLeia a íntegra do voto do relator, a favor da demarcação contínua 

documentoLeia a íntegra do voto de Marco Aurélio Mello, contra a demarcação contínua 

linkPF já tem plano para retirada de arrozeiros da Raposa

linkArrozeiros ainda veem possibilidade de permanência na Raposa

 

Na entrevista, Ayres Britto disse que o STF poderá dar um prazo para a retirada dos invasores ou estipular a saída deles a partir da publicação do acórdão com a decisão do Supremo. Já o processo de indenizações para os invasores que construíram em território indígena, Ayres Britto disse que será desencadeado pelo poder Executivo.

 

Ele avaliou que, "teoricamente", é possível que hoje os ministros modifiquem o seu voto. "No campo das possibilidades, isso é possível. Mas, no campo da probabilidade, acho isso difícil", disse.

 

Ayres Britto, que fez um relatório favorável à criação da reserva, minimizou a discussão que teve no plenário, ontem, com o ministro Marco Aurélio, único até agora a votar contra a demarcação da reserva. "Isso faz parte do nosso tipo de discussão. Cada ministro dá o melhor de si. Nesse embate de ideias, nos resvalamos para palavras mais duras e ácidas", explicou. Até agora, o placar está 9 a 1 para a criação da reserva.

Tudo o que sabemos sobre:
Raposa Serra do SolSTF

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.