André Dusek|Estadão
André Dusek|Estadão

STF determina que Renan preste depoimento pessoalmente à PF na Lava Jato

Teori Zavascki negou pedido da defesa do senador que pediu ao Supremo para enviar explicações sobre o caso por escrito; nquérito investiga suposta propina em acordo da Petrobrás com o Sindicato dos Práticos, categoria de profissionais que atua em portos

Gustavo Aguiar e Isadora Peron, O Estado de S.Paulo

25 de maio de 2016 | 20h47

BRASÍLIA - O ministro do Supremo Tribunal Federal Teori Zavascki determinou que o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-RJ), seja ouvido pessoalmente pela Polícia Federal em um dos nove inquéritos contra o congressista que tramitam na Corte no âmbito da Lava Jato.

O ministro negou um pedido formulado pela defesa de Renan, que pediu ao STF para enviar as explicações sobre o caso por escrito. A Procuradoria-Geral da República havia se manifestado contrária à solicitação. A Polícia Federal afirma que falta apenas o depoimento do presidente do Senado para concluir o inquérito.

O inquérito investiga suposto pagamento de propina em acordo da Petrobrás com o Sindicato dos Práticos, categoria de profissionais que atua em portos. O deputado Aníbal Gomes (PMDB-CE) também é alvo da investigação, que surgiu a partir da delação do ex-diretor da estatal Paulo Roberto Costa.

Os dois são investigados por crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Tanto a defesa de Renan quanto a de Aníbal negam envolvimento no caso. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.