Fábio Motta|Estadão
Fábio Motta|Estadão

STF decide ouvir perito ignorado pela PF em inquérito contra Pedro Paulo por agressão à ex-mulher

Ministro Luiz Fux atendeu a um pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que disse não ter como opinar sobre o assunto antes de ouvir o que Francisco Mourão tem a declarar

Gustavo Aguiar, O Estado de S.Paulo

05 de julho de 2016 | 15h06

BRASÍLIA - Antes de decidir sobre o arquivamento da investigação contra o deputado federal e pré-candidato à prefeitura do Rio pelo PMDB, Pedro Paulo Carvalho, por agressão à ex-mulher, o ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou que seja ouvido o perito que assinou o primeiro laudo do caso. 

Fux atendeu a um pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, diante da recomendação da Polícia Federal para que o inquérito seja arquivado. Janot disse que não tinha como opinar sobre o assunto sem ouvir o que o perito Francisco Mourão tem a dizer. O ministro também designou um juiz convocado pelo STF para colher o depoimento do profissional.

Mourão é responsável pelo primeiro atendimento à Alexandra Marcondes, ex-mulher de Pedro Paulo, ocorrido horas depois da alegada agressão. No inquérito, a Polícia Federal colheu apenas o depoimento do perito Roger Ancilotti, contratado pelo deputado. Janot classificou a diligência como um "equívoco".  

O relatório da Polícia Federal, assinado pelo delegado Luciano Soares Leiro, de Brasília, apontou que o parece do perito contratado por Pedro Paulo põe em dúvida o trabalho feito por Mourão e

que, por isso, não havia como afirmar que o deputado havia de fato agredido a ex-mulher. O delegado também considera do depoimento de Alexandra inconclusivo. 

O deputado e pré-candidato é investigado por lesão corporal. O registro da agressão, feito junto à Polícia Civil em 2010, aponta que Pedro Paulo deu socos no rosto e corpo da ex-mulher. No documento,ela disse que o ex-marido "a jogou na parede e depois no chão, agarrando-a pelo pescoço e sacudindo-a". 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.