STF condena Paz, ex-sócio de Valério, a 25 anos

Na aplicação das sanções, prevaleceram as penas propostas pelo relator Joaquim Barbosa

Ricardo Brito, da Agência Estado e Eduardo Bresciani, de O Estado de S. Paulo

08 de novembro de 2012 | 16h54

BRASÍLIA - O Supremo Tribunal Federal (STF) concluiu nesta quinta-feira, 8, a aplicação das sanções impostas a Cristiano Paz, ex-sócio do empresário Marcos Valério, condenado por vários crimes no processo do mensalão. O colegiado fixou a pena de Cristiano Paz em 25 anos, 7 meses e 20 dias de prisão e o pagamento de R$ 2,5 milhões em multas. O tribunal, que suspendeu os trabalhos para intervalo, encerrou a fixação da pena do terceiro entre os 25 réus condenados no processo.

O ex-sócio de Valério foi condenado pelos crimes de formação de quadrilha, corrupção ativa, peculato e lavagem de dinheiro. Na aplicação das sanções a Cristiano Paz, prevaleceram as penas propostas pelo ministro Joaquim Barbosa, relator da ação.

Segundo Barbosa, a situação de Cristiano Paz é "quase idêntica" a de Ramon Hollerbach, outro ex-sócio de Valério. A única exceção é que, lembrou o ministro, Cristiano Paz foi absolvido do crime de evasão de divisas. Ramon Hollerbach recebeu a pena de prisão de 29 anos, 7 meses e 20 dias.

O relator da ação afirmou que Cristiano "locupletou-se fartamente e criminosamente" no caso do desvio de mais de R$ 74 milhões em recursos do fundo Visanet, vinculado ao Banco do Brasil. No caso da corrupção ativa da compra de parlamentares da base aliada, Barbosa disse, em relação ao envolvimento do ex-sócio de Valério: "Cristiano participou de reuniões com o controlador direto do esquema criminoso, José Dirceu".

Tudo o que sabemos sobre:
mensalãojulgamentoCristiano Paz

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.