STF concede prisão domiciliar a Gloria Trevi

O presidente do Supremo Tribunal Federal, Marco Aurélio Mello, determinou nesta quinta-feira a transferência da cantora mexicana Gloria Trevi da delegacia de polícia no Cruzeiro, onde estava detida, para a residência das Irmãs Missionárias de São Carlos Borromeu Scalabrianas, um convento também em Brasília. Ela permanecerá em prisão domiciliar junto com o filho Angel Gabriel, de cinco meses, e a ex-secretária Maria Raquenel, apelidada de Mary Boquitas, que estava no presídio da Papuda. Elas estão presas no Brasil desde o início de 2000, a pedido do governo mexicano que as acusava de corrupção de menores e rapto. Nesse período, Gloria engravidou quando era mantida sob a custódia a Superintendência da Polícia Federal. Para o ministro, a cantora e sua secretária já deveriam ser soltas porque a Justiça do México anulou pedido de extradição das duas. Por precaução, Marco Aurélio optou pela prisão domiciliar, uma vez que o governo mexicano ainda não se manifestou sobre o cancelamento da extradição. Sem uma resposta oficial, o ministro concluiu ser mais prudente deixar para o plenário do Supremo a palavra final sobre a libertação da cantora e sua assistente. O STF está em recesso e só volta a funcionar em agosto. A própria cantora indicou a residência das irmãs missionárias como seu novo endereço. Ela apresentou uma declaração assinada pela irmã Jaíra Oneida Mendes Garcia garantindo que o convento tem condições de abrigar a cantora, a criança e a secretária pelo tempo que o Supremo considerar necessário. No despacho que determinou a transferência para o convento, Marco Aurélio salientou que a Polícia Federal deverá manter a vigilância sobre as duas. Esse acompanhamento, segundo o ministro, deverá ocorrer sem causar transtorno aos moradores de áreas próximas do convento. O ministro também frisou que as duas não poderão sair do convento sem autorização prévia do Supremo, que continuará retendo seus passaportes. Ele concluiu o despacho afirmando que com a reabertura dos trabalhos do Supremo, em agosto, o processo será remetido ao relator ministro Carlos Velloso " que, certamente, adotará providência harmônica com a ordem jurídica vigente". Normalmente, os pedidos de Glória têm sido atendidos por Marco Aurélio e rejeitado pelo restante dos ministrsos. No final do ano passado, em pleno recesso, Marco Aurélio determinou a transferência da cantora da penitenciária da Papuda para o Hospital Regional da Asa Norte, local onde ela deu à luz a Angel Gabriel e permaneceu até a abril. O advogado de defesa alegava que Gloria deveria continuar no hospital por estar em depressão pós-parto, mas o plenário do Supremo decidiu mandá-la para a delegacia no Cruzeiro, que abriga criminosos com curso superior.

Agencia Estado,

25 Julho 2002 | 19h32

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.