Gustavo Lima
Gustavo Lima

STF adotou postura mais firme, diz presidente do STJ sobre prisão após decisão em 2ª instância

Por 6 votos a 5, o Supremo admitiu a possibilidade de execução de penas - como a prisão - após a condenação pela Justiça de segundo grau, que deverá ter efeito vinculante para juízes de todo o País

Rafael Moraes Moura e Julia Lindner, O Estado de S.Paulo

07 de outubro de 2016 | 15h48

BRASÍLIA - A presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Laurita Vaz, elogiou nesta sexta-feira, 7, a decisão do Supremo Tribunal Federal de admitir a possibilidade de execução de penas - como a prisão - após a condenação pela Justiça de segundo grau.

Por 6 votos a 5, o STF confirmou o entendimento em um julgamento que deverá ter efeito vinculante para os juízes de todo o País.

"O Supremo admitiu a execução provisória da pena imposta em condenação criminal. A postura mais firme do STF se mostra mais consentânea com o senso comum de justiça, que muitas vezes é inobservado, promovendo verdadeira sensação de impunidade, incentivo ao malfeito e à reiteração de fatos criminosos", disse Laurita Vaz, durante café da manhã com repórteres que cobrem o Poder Judiciário.

Ao comentar o atual cenário brasileiro, a presidente do STJ afirmou que o País atravessa uma "tormenta econômica, política e social".

"Precisamos de uma forte corrente do bem, para se contrapor a esse mar de desmandos. Temos de superar esse mar de desmandos", afirmou Laurita.

Mais conteúdo sobre:
STJJustiçaSTFPoder Judiciário

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.