STF adia julgamento de gaúcho acusado de anti-semitismo

Depois de mais de três horas de discussão, o Supremo Tribunal Federal (STF) adiou hoje, pela quarta vez, o julgamento do pedido de habeas corpus do gaúcho Sigfried Ellwanger, escritor e editor de livros que foi condenado por racismo por divulgar idéias consideradas anti-semitas. Até agora, 7 dos 11 ministros votaram a favor da manutenção da condenação e 2 integrantes do STF se posicionaram pelaabsolvição. Se ninguém mudar de opinião, o Supremo concluirá que divulgar idéias discriminatórias contra judeus é racismo, crime imprescritível e inafiançável.Apenas o ministro Carlos Ayres Britto, recém-empossado no STF, votou. Depois do longo voto dele, o ministro Marco Aurélio pediu vista ao processo, adiando o julgamento por tempo indeterminado. Além de Marco Aurélio, o ministro Sepúlveda Pertence precisa votar. A expectativa é a de que os dois se posicionem a favor do pedido de Ellwanger.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.