STF adia análise do sigilo de cartão da Presidência

'Não é possível responsabilizar o presidente pela falta dos dados', diz ministro do órgão

FELIPE RECONDO, Agencia Estado

22 de fevereiro de 2008 | 16h30

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Celso de Mello adiou a análise do mandado de segurança do senador Arthur Virgílio (PSDB-AM), que pedia a abertura do sigilo dos gastos do gabinete pessoal do presidente da República com o cartão corporativo. Celso de Mello afirmou, em sua decisão, que Virgílio não incluiu na ação documentos que comprovassem que o presidente Lula se negou a repassar os dados referentes aos gastos sigilosos.   Veja também:   Entenda a crise dos cartões corporativos   Após leitura, Senado instala CPI mista dos cartões Segundo o ministro do STF, Virgílio "sequer apontou, de modo concreto e específico, um só ato que, imputável ao senhor presidente da República, pudesse traduzir situação configuradora de potencial violação a direito líquido e certo", explicou o ministro em sua decisão. Sem esse documento, justificou Celso de Mello, não é possível responsabilizar o presidente pela falta dos dados. Se essa documentação não for encaminhada ao Supremo no prazo de dez dias, alertou o ministro, a liminar poderá ser negada.

Tudo o que sabemos sobre:
Cartões corporativos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.