Stédile diz que recado de Lula foi para os latifundiários

O líder do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST), João Pedro Stédile, preferiu dar outra interpretação para o recado que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva mandou ontem para ele,quando afirmou que a ?reforma agrária não será feita no grito?. ?Nós do MST não vestimos a carapuça. Eu acho que o recado dele foi para os latifundiários improdutivos. Nossa leitura é que o governo disse para os latifundiários, eu vou fazer a reforma agrária, e numa reforma agrária os beneficiários somos nós?, disse Stédile, durante o Encontro das Coordenações dos Movimentos Sociais, em Curitiba.Stédile ratificou o calendário de mobilizações no campo em abril e criticou a lentidão do processo da reforma feito pelo governo. ?O governo precisa tratar a reforma agrária como um plano, amplo, que aumente as vistorias dos latifúndios improdutivos, faça desapropriações e acelere os projetos de assentamento, além de desburocratizar o acesso aos créditos e reformular o Incra?, reclamou.O encontro foi vetado para a participação da imprensa, medida essa que será adotada pelo MST em novas reuniões. Segundo o porta-voz do encontro, César Samson, isso evitaria ?distorções que a imprensa faz dos fatos em alguns momentos e era uma medida de precaução?, disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.