''''Status da PF impede pressão sobre ela''''

Entrevista[br]Luiz Fernando Corrêa: diretor-geral da Polícia Federal[br]Há um mês no cargo, Corrêa afirma que tem ?total autonomia? e dará prioridade à área[br]de inteligência

Fausto Macedo, O Estadao de S.Paulo

05 de outubro de 2007 | 00h00

"A Polícia Federal atingiu um status e uma capacidade de investigação que ninguém consegue impor qualquer nível de pressão sobre ela", afirmou o delegado Luiz Fernando Corrêa, diretor-geral da PF. Há um mês no cargo, Corrêa busca executar uma filosofia de trabalho que enfatiza o aprimoramento da área de inteligência e a produção de provas. A seguir, trechos da entrevista.O do crime organizado o assusta?Assusta enquanto cidadão. O que nos tranqüiliza diante do desafio é a articulação federativa histórica que existe hoje. O que acha das operações espetaculares?Não sei o que vocês consideram espetacular. Acho uma grande operação a que fizemos agora, em parceria com a Anvisa (a operação desarticulou esquema de fraudes envolvendo médicos e fabricantes de próteses adulteradas). O que importa é o bem jurídico, a saúde pública que foi atendida. A corrupção tem controle?O que temos é uma percepção dela porque está sendo combatida frontalmente. A articulação com os órgãos de controle tem sido fundamental. Questiona-se muito a polícia sobre o sistema do prende-e-solta. Poucos são os acusados de corrupção que ficam atrás das grades.As operações são eficazes porque, inclusive, informam a opinião pública. As prisões cautelares têm um papel: prende-se para produzir provas. Cumprida essa etapa o cidadão responde processo em liberdade. Num país democrático a regra é a liberdade, a prisão é a exceção. O que faz manter ou não alguém preso após sua condenação, ou no curso da ação penal, é a qualidade da prova. Até onde vai a independência do diretor-geral da PF?Temos total autonomia. O ministro (Tarso Genro, da Justiça) só tomou conhecimento dos diretores que escolhi duas horas antes da minha posse. Constituí minha equipe com plena liberdade. E a independência da PF, é real?A PF atingiu um status e uma capacidade de investigação que ninguém consegue impor qualquer nível de pressão sobre ela. O papel do diretor é blindar a instituição. E o que blinda, mais ainda, é uma prova bem produzida. Prova contundente não permite ingerência sobre o trabalho da polícia. O que significa, na prática, a atuação da inteligência?É a área central da PF. O objetivo maior é a prova, é a razão de ser da polícia. Venho da área de inteligência, que vai continuar sendo desenvolvida porque a partir dela se produz prova de qualidade.O grampo basta como prova?Não. O grampo é uma das ferramentas de investigação. Quando se fala em inteligência temos que usar várias ferramentas. Temos a vigilância, a análise financeira.Muitos alvos da PF reclamam contra a devassa fiscal e bancária a que são submetidos.O sigilo é uma garantia individual e constitucional. Quando produzo uma boa inteligência gero argumentos para uma representação pela quebra do sigilo. Se eu tiver bons argumentos, e uma boa investigação, o juiz vai acolher. Teme pressões políticas?Não. Nós blindamos a instituição a pressões políticas com robusta produção de provas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.