SRI nega tentativa de compra de voto

A Secretaria de Relações Institucionais da Presidência da República (SRI) divulgou nota negando que a liberação de recursos de emendas ao Orçamento da União esteja sendo usada como moeda de troca para convencer senadores a votar em favor da prorrogação da CPMF. "Em nenhum momento a liberação de emendas foi utilizada como moeda de troca. A soberania dos poderes Legislativo e Executivo sempre foi respeitada", diz o texto.Segundo a nota, divulgada no início da noite de hoje, as emendas dos senadores estão sendo liberadas desde junho e já contemplaram 90% do total. Na nota, a SRI classifica como "falha de comunicação" o episódio em que o senador Geraldo Mesquita (PMDB-AC) denunciou a tentativa de um funcionário da secretaria de convencê-lo a votar pela CPMF em troca de liberação de emendas de sua autoria.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.