SP 'não é para postes', diz Soninha sobre gestão Haddad

Candidata à Prefeitura de São Paulo em 2012, Soninha Francine (PPS) reagiu com ironia ao anúncio do governo municipal de que não vai realizar as obras viárias relacionadas ao chamado "Arco do Futuro". O anúncio de cancelamento do projeto foi feito na manhã desta sexta-feira, 16, pela secretária do Planejamento, Leda Paulani, sob o argumento de que a atual gestão "não tem recursos" para essas obras.

GUILHERME WALTENBERG, Agência Estado

16 de agosto de 2013 | 22h09

Para Soninha, Haddad não estudou a cidade e seus problemas antes de se candidatar à Prefeitura. "São Paulo não é para postes", disparou, numa referência à expressão utilizada pelos adversários do prefeito na campanha municipal, de que seria um "poste" do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), seu padrinho político.

Ao longo da campanha municipal realizada no ano passado, Soninha já havia criticado a promessa do Arco do Futuro. Ela chegou a publicar na sua conta no Twitter, no dia 30 de outubro, que se Haddad concluísse 10% do projeto, ela faria uma tatuagem do Lula. "Anota aí: se 10% das obras do ''Arco do Futuro'' tiverem começado daqui a 4 anos, eu faço uma tatuagem do Lula c o boné do Corinthians", dizia o post.

O Arco do Futuro foi, ao lado do fim da cobrança da taxa de inspeção veicular, uma das principais bandeiras de campanha do prefeito Fernando Haddad (PT). O projeto pretendia levar o eixo de desenvolvimento da cidade para a região da Marginal do Tietê, através da construção de obras viárias e incentivo fiscal.

Soninha contou que sua sensação ao saber do anúncio de que as obras não seriam realizadas foi de "ah, eu já sabia". "O Haddad sabia que o plano era inexequível. Bem vindo à vida real, fora do marketing", emendou.

Tudo o que sabemos sobre:
HaddadArco do Futuro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.