SP mantém cursos próprios de formação

Programas estadual e federal se diferenciam na escolha de instituições

, O Estadao de S.Paulo

21 de fevereiro de 2009 | 00h00

Para pôr em pé o plano de qualificação profissional de beneficiários do Bolsa-Família, o Ministério do Desenvolvimento Social tem firmado convênios com governos estaduais e municipais. Estes, por sua vez, terceirizam o serviço, contratando empresas e organizações especializadas em formação de mão de obra. O plano também conta com a retaguarda do Ministério do Trabalho, de sindicatos de construção civil e de instituições tradicionalíssimas nesta área, como o Senai e o Senac.No caso de São Paulo, porém, o governo estadual ficou de fora. De acordo com informações do titular da Secretaria de Articulação Institucional do ministério, Ronaldo Coutinho Garcia, isso ocorreu porque quando o plano foi lançado já estava em andamento um programa estadual - também voltado para a construção civil e envolvendo cerca de 30 mil pessoas; este ano, deve chegar a 60 mil pessoas. Sozinho, esse programa paulista já havia praticamente esgotado a capacidade do Senai e de outras instituições conhecidas nessa área, como as escolas técnicas. Os dois planos têm na sua montagem uma diferença que chama a atenção: o do governo paulista só trabalha com o Senai, o Senac e instituições afins; e o do governo federal envolve também instituições pouco conhecidas, algumas ligadas a organizações sindicais. Na região metropolitana de Mogi das Cruzes, Poá, Salesópolis, Suzana e Biritiba-Mirim, nos arredores de São Paulo, os beneficiários do Bolsa-Família serão treinados pela Associação de Verde e Proteção do Meio Ambiente (Avepema), que tem sede em São Paulo. Em Paulínia e Cosmópolis os futuros encanadores, carpinteiros, armadores, pintores, pedreiros e soldadores ficarão sob a responsabilidade da Oxigênio - Organização de Desenvolvimento, Políticas Públicas e Sociais.Estima-se que o mercado da construção civil no Brasil mobiliza cerca de 2,1 milhões de trabalhadores. Desse total, 630 mil estão em São Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.