SP está preparado para baque das demissões, diz Serra

O governador do Estado de São Paulo, José Serra (PSDB), nome forte para a disputa presidencial de 2010, afirmou hoje ter previsto a chegada da crise econômica mundial no Brasil e disse ter preparado as finanças paulistas para o baque da atual onda de demissões. Apesar de confiar no efeito anticrise da manutenção dos investimentos governamentais e negar medidas emergenciais para conter a desaceleração econômica, Serra considerou preocupantes os números do desemprego divulgados ontem pelo Ministério do Trabalho. E admitiu: "Há um temporal muito grande de crise pela frente."Questionado sobre medidas contra o desaquecimento econômico do Estado, Serra disse ter "muita preocupação" com a situação, mas dispensou ações emergenciais. "Não é o caso. Essa crise, por nós, já estava prevista há muito tempo. Não é novidade." Além da manutenção dos investimentos, o governador destacou a importância de incentivos e oferta de crédito a pequenas e médias empresas. "São elas que geram mais empregos", justificou o tucano, depois de participar de evento da Secretaria da Educação, na capital paulista.O mercado de trabalho formal brasileiro teve, em dezembro passado, o pior desempenho desde 1992, mostram dados de ontem do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). As demissões superaram as contratações em 654,9 mil vagas. Para Serra, esse também era um quadro "previsível". "São preocupantes os dados do Caged. A pessoa desempregada consome menos, o que prejudica a produção", afirmou o governador. "É uma situação que, a meu ver, era previsível, mas chegou com força. O que a gente pode fazer é trabalhar."O tucano voltou a alfinetar o governo federal ao insinuar falhas na política econômica do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "Estamos fazendo o máximo possível (para enfrentar a crise) dentro das possibilidades limitadas do governo estadual, que não tem instrumentos de política econômica, próprios do governo federal", disse Serra, que foi derrotado por Lula nas eleições de 2002.ImpostosSerra esquivou-se de entrar na discussão entre empresários e sindicalistas sobre alternativas para conter demissões. Dirigentes da Central Única dos Trabalhadores (CUT) e da Força Sindical convocaram o governador de São Paulo a rever tributos e impostos para, em uma via, aliviar as empresas e, na outra, exigir a manutenção do emprego dos trabalhadores. "Já fizemos bastante desoneração", respondeu Serra. "A manutenção do emprego deve ser fruto da negociação entre empresas e sindicatos."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.