SP "dificilmente" venderá 49% da Caixa

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), disse que "dificilmente" o governo paulista vai vender os 49% das ações da Nossa Caixa que está autorizado a pôr no mercado. "Dificilmente vamos vender os 49% das ações. Nós devemos vender menos", afirmou. Alckmin, no entanto, não estimou qual a porcentagem que o governo espera vender. A comercialização das ações da instituição financeira, pertencente ao Estado de São Paulo, foi aprovada na Assembléia Legislativa na última quinta-feira. A aprovação do projeto de venda dos 49% das ações foi considerada a primeira vitória de Alckmin junto ao legislativo desde que assumiu o governo estadual em março, após a morte do então governador Mário Covas. Ele reiterou que o governo paulista vai manter a Nossa Caixa como banco público, negando que a comercialização de parte das ações fosse uma privatização camuflada, como estão afirmando os deputados da oposição. Segundo ele, a venda das ações será pulverizada. Alckmin disse ainda que, neste momento, o governo paulista vai iniciar o processo de modelagem da venda. "Agora, vamos iniciar o processo de modelagem e, com ele, avaliar a melhor oferta, que permita o desenvolvimento e abertura do capital, que continuará estatal, banco público, mas mais profissionalizado e saneado financeiramente", afirmou. Segundo cálculos preliminares do governo paulista, a venda de 49% das ações da Nossa Caixa iam gerar recursos da ordem de R$ 800 milhões ao cofres estaduais.

Agencia Estado,

02 de julho de 2001 | 14h09

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.