Souto apoiará CPI da Corrrupção, diz ACM

O senador Antônio Carlos Magalhães (PFL-BA) informou ontem a correligionários que o senador Paulo Souto (PFL-BA) lhe garantiu que assinará o requerimento para instauração da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) destinada a apurar denúncias de corrupção no País. A decisão de Souto assusta o governo porque ela será a penúltima adesão necessária para o início das investigações e exigirá novas manobras do Planalto. O senador Osmar Dias (PSDB-PR) prometeu aos líderes do bloco da oposição que, se eles conseguissem reunir 26assinaturas, a sua seria a 27ª, o que permitiria a abertura da CPI, ainda esta semana.Enquanto alguns aliados de Paulo Souto davam essa informação, outros afirmavam não acreditar nesta possibilidade porque ele ainda estaria avaliando o quadro político para definir se endossaria ou não a abertura da CPI. Souto teria cogitado deixar o PFL, segundo amigos baianos, porque gostaria de se desvincular de ACM, na tentativa de alçar vôo próprio para disputar o governo do Estado nas próximas eleições.ACM, no entanto, assegurou ontem que Souto daria suaassinatura junto com a do ex-ministro da Previdência WaldeckOrnéllas. "O senador Paulo Souto deu sinais de que vai assinaro requerimento da CPI", atestou o deputado Paulo Magalhães(PFL-BA), sobrinho de Antônio Carlos, lembrando inclusive umdiscurso do senador em que ele afirma que devia sua vida a ACM.A contabilidade da oposição prevê os 16 votos do PT, PDTPSB e PPS, além dos oito votos do PMDB - José Fogaça (RS), PedroSimon (RS), Maguito Vilela (GO), José de Alencar (MG), JaderBarbalho (PA), Amir Lando (RO), Ramez Tebet (MS) e RobertoRequião (PR). Ornélas e Souto seriam as assinaturas de números25 e 26, restando ao tucano Osmar Dias completar a lista,conforme prometeu.O presidente Fernando Henrique Cardoso, que passou o fimde semana no Rio de Janeiro, participando do aniversário de 15anos de suas netas gêmeas, retorna a Brasília com um problemamaior do que o de sexta-feira, quando achava que a temperaturada CPI havia abaixado. Na semana passada, o presidente,pessoalmente, ligou para vários senadores. Ele deverá reiniciarsua investida hoje, depois de avaliar a o tamanho do problemacom seus auxiliares no Planalto, na reunião de coordenaçãopolítica.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.