JB Neto/ Agência Estado
JB Neto/ Agência Estado

'Somos cobrados de forma injusta', diz presidente da Assembleia paulista

Em reunião na Fiesp, o deputado Barros Munhoz se queixou da forma como a imprensa acompanha o trabalho dos parlamentares

José Orenstein, do estadão.com.br

28 de fevereiro de 2011 | 13h40

O presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo, o deputado Barros Munhoz (PSDB), reclamou da cobertura feita pela imprensa dos parlamentares estaduais. "A gente é cobrado de forma injusta", afirmou Munhoz em reunião promovida pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), nesta segunda-feira.

 

Veja também:

Patrimônio de 16 deputados paulistas mais que dobra nos últimos 4 anos

Salário é principal justificativa para variação

Assembleias preparam PEC para terem mais poder legislativo

 

Em referência à reportagem do Estado que aponta o aumento de patrimônio de deputados entre 2006 e 2010, Munhoz se mostrou irritado com a revelação. Falando para os 32 parlamentares que participaram da recepção feita pela Fiesp, o presidente da Assembleia afirmou que os deputados não deviam se deixar atingir pelo assunto. "O importante mesmo é trabalhar com seriedade. O poder legislativo é o sustentáculo da democracia", completou.

 

O deputado tucano, que deve se reeleger como presidente da Assembleia, afirmou ainda que a imprensa e a população não entendem o trabalho dos deputados. "Só nos cobram pelos projetos que aprovamos", disse Munhoz, que voltou a criticar a limitação da autonomia para legislar dos parlamentares regionais - "um resquício do regime militar". Ele salientou também a importância do trabalho de representação dos deputados e citou como exemplo a reunião dos parlamentares paulistas com a Secretaria da Fazenda e representantes do indústria têxtil para buscar políticas de incentivo para o setor.

 

Barros Munhoz trabalha para o envio de uma proposta de emenda constitucional (PEC) ao Senado que dê aos deputados estaduais um maior espaço de atuação na produção de leis em áreas como Saúde e Educação.

 

Skaf. O presidente da Fiesp, Paulo Skaf, negou ter pretensões de se filiar ao PMDB neste momento. "Sou candidato para reeleição à presidência da Fiesp e minha atenções estão voltadas para a Casa agora", afirmou. O vice-presidente da República Michel Temer se reuniu recentemente com Skaf e disse que as portas do PMDB estavam abertas para ele, que seria candidato à prefeitura de São Paulo em 2012.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.