Somente 32 municípios têm calamidade reconhecida pelo Governo

Somente 32 municípios dos 636 atualmente atingidos pelaseca - 30 na Paraíba e dois no Rio Grande do Norte - estão aptos areceberem os carros-pipa e as cestas básicas prometidas pelo GovernoFederal dentro do programa de emergência da seca. Eles são os únicoscom decretos de estado de calamidade pública reconhecidos no âmbitofederal. Quando anunciou os números da seca, há 10 dias, o ministro doDesenvolvimento Agrário e coordenador das ações de combate à seca, RaulJungmann, informou que haviam 316 municípios em calamidade pública,dentro do total afetado pela estiagem em oito Estados. Esse número caiupara 176 na quinta-feira, quando o ministro se reuniu com osgovernadores do Nordeste, no Recife. Hoje, passaram para 32. Esses municípios devem começar a receber a água a ser distribuídaem carros-pipa, sob o comando do Exército neste final de semana. Ochefe da seção de Planejamento do Comando Militar, coronel Sérgio daSilva Magalhães, disse hoje à tarde, que o trabalho ainda não haviasido iniciado porque o Governo Federal não repassou os recursosrelativos à operação. "Assim que isso ocorrer, o Exército tem condiçõespara iniciar a distribuição em 48 horas", afirmou ele, contando quetrês vezes por dia, o Comando Militar do Nordeste vem consultando oSistema Integrado de Administração Financeira para se informar sobre aliberação, com o objetivo de não demorar ainda mais com um socorro queestá sendo aguardado pela população que passa sede e fome na região dosemi-árido. No final da tarde, a assessoria do ministro Jungmann informou queo convênio que havia sido assinado com o Exército na terça-feira dasemana passada precisou ser refeito e por isso somente hoje estariasendo publicado no Diário Oficial da União. O valor do contrato é de R$8 milhões e a liberação deve ocorrer amanhã. Quadro O governador de Pernambuco, Jarbas Vasconcelos (PMDB), decretouontem estado de calamidade pública em 56 municípios dos 126 em estadode emergência. O decreto será encaminhado a Brasília para oreconhecimento federal a fim de que eles possam se beneficiar daemergência. De acordo com a Agência de Desenvolvimento do Nordeste (Adene,ex-Sudene), o Piauí tem 100 municípios em estado de calamidade noâmbito estadual, ainda sem reconhecimento federal. O Rio Grande doNorte tem dois reconhecidos e 124 em processo de reconhecimento. AParaíba tem 53 em calamidade apenas no âmbito estadual, além dos 30 járeconhecidos pelo Governo Federal. A Bahia e Minas Gerais têmrepectivamente 103 e 140 em estado de emergência, ainda sem decreto decalamidade pública. Sergipe tem 10 municípios com decreto de calamidadepública vencidos, à espera de renovação. O Ceará e Alagoas estãorealizando levantamento dos municípios afetados pela estiagem. Enquanto as prometidas 10 mil cestas básicas do Governo Federalnão chegam, os 56 municípios pernambucanos em estado de calamidadecomeçam a receber 36,5 mil cestas doadas pela ex-Sudene. As cestas, demédia de 15 quilos destinavam-se a planos emergenciais. A Cruzada deAção Social, órgão estadual, está encarregado da distribuição epreparação das cestas. Foi solicitado às prefeituras beneficiadas quese encarreguem de transportar o alimento. As prefeituras deVerdejantes, Cedro, Araripina e Vicência, foram as primeiras aconfirmar o transporte.Protesto A Federação dos Trabalhadores na Agricultura de Pernambuco(Fetape) promete levar 5 mil trabalhadores hoje às ruas do Recife, numprotesto pela falta de ações no semi-árido. Eles vão sair em passeata,da Rua Gervásio Pires, no bairro da Boa Vista, até o Palácio doGoverno, onde pretendem entregar ao governador uma pauta dereivindicações que inclui o alistamento de 5 mil pessoas da áreaafetada. Eles também querem capacitação de agricultores e anistia dedébitos, além de crédito emergencial, construção de cisternas e poçosartesianos. Os trabalhadores seguem, à tarde, para a sede da Adene(ex-Sudene) onde terão uma reunião com o ministro Jungmann. Elespoderão ficar acampados no local até terem suas reivindicaçõesatendidas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.