Solução do caso Renan será amarga, diz Tuma

Senador critica manobras para arrastar processo e defende a rápida conclusão

Agência Senado

13 de julho de 2007 | 11h52

O corregedor do Senado, Romeu Tuma (DEM-SP), condenou, nesta sexta-feira, 13, o que qualificou de procrastinação e de manobras políticas que estariam cercando a investigação do processo no Conselho de Ética contra o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB). "A solução certamente será amarga, mas necessária. Quanto mais rapidamente ela vier, melhor será para todos, até mesmo para o presidente da Casa", disse.Para Tuma, essa demora em levar o processo à sua conclusão vem frustrando os senadores e toda a sociedade brasileira.Na quinta-feira, Renan fez mais uma manobra para arrastar o processo. Ele adiou para terça-feira, véspera do recesso, o envio para a Polícia Federal dos documentos de sua defesa para que seja ampliada a perícia. Com a decisão, Renan rompeu acordo firmado um dia antes para que a Mesa Diretora - a quem caberia formalizar o pedido à PF - se reunisse na quinta-feira, 12.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.