Solimões, um rio mais traiçoeiro que o mar

Rio muda de feição a cada passada: os bancos de areia se movem pelo leito sem que se perceba

Roberto Almeida, enviado especial à Amazônia,

04 de dezembro de 2009 | 19h01

 O Kukahã roncou durante 12 horas. Trajeto em ziguezague para desviar das toras que povoam o Solimões, cortadas rio acima, no Peru. O piloto Valderi e o marinheiro Rafael se revezaram no leme, desde a saída de Tabatinga às 14h30 do dia 1º de dezembro e a chegada a São Paulo de Olivença, às 4h do dia 2.

 

O tempo de viagem era para ser mais curto, não fosse um rápido temporal, de meia hora, que fez com que o chefe da expedição, Rieli Franciscato, pedisse para acostar na margem. Medo de um vento forte contra a corrente do rio, que poderia causar um "banzeiro" - ondas de até um metro, sem direção, que causariam danos à embarcação.

 

A parada no posto fluvial da Polícia Federal no Solimões também tomou uma hora da viagem. Os agentes da PF trabalham ali, na beira do rio, em um barco improvisado para coibir a entrada de drogas no País, vindas do Peru e da Colombia. Quem passar sem parar é perseguido e averiguado.

 

Veja também:

especial Na trilha dos isolados

link Kukahã

: A Casa da Equipe

link Os sonhos da Floresta Amazônica

linkLeia tudo o que foi publicado sobre a Expedição ao Vale do Javari

 

Com a documentação em ordem, seguimos viagem a não mais que 10 km/h. A noite caiu, com lua coberta pelas nuvens, e o único guia nesses casos é um grande holofote, no teto do barco, operado pelo piloto. Acende, ilumina os troncos, apaga o breu assume seu lugar.

 

Navegar no Solimões é mais perigoso do que no mar, garante Rieli. O rio muda de feição a cada passada, as "praias" ou bancos de areia invisíveis para o leigo se movem pelo leito sem que ninguém veja. O rio não tem canal de passagem definido. O calado do Kukahã tem 1m20 e é fácil encalhar.

 

Valderi sabe disso há 19 anos. Foi de copiloto pela primeira vez quando tinha 17, hoje tem 36 e diz que levou pelo menos 4 anos para pegar no leme a primeira vez. Olhando e ouvindo as instruções dos mais velhos, aprendeu todos os truques do rio, que engana quem bobear.

 

Rafael, o marinheiro, tem apenas 20 anos. É sua primeira vez no Solimões. Ele conhece bem o Jutaí, afluente rio acima, mas ainda é novato no desvio dos troncos. Se também levaria 4 anos para aprender? O garoto respondeu de pronto: "Uma vez só tá mais que bom."

 

A paisagem homogênea da Amazônia verde na margem, marrom na água, negra no céu só é cortada pelos pescadores e poucas casas de ribeirinhos. É época da piracema, mas uma concentração de cerca de 20 voadeiras perseguia cardumes com seus motores de 5 HP.

 

O jantar saiu com galinha ensopada, arroz, salada e duas garrafas de guaraná. As redes coloridas tomaram conta da área comum do barco. Seis horas depois, São Paulo de Olivença não passava de algumas luzes na margem do Solimões.

 

Ali, os galos já cantavam e os mosquitos carapanãs esperavam o barco atracar para fazerem a festa.

Tudo o que sabemos sobre:
vale do javariAmazôniaSolimões

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.