Software da Federal do Rio diagnostica tuberculose

Engenheiros e médicos da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) desenvolveram um software que ajuda a diagnosticar a tuberculose pulmonar, doença que mata seis mil brasileiros todo ano. Basta o paciente responder a perguntas sobre seu estado de saúde que o computador diz qual é a probabilidade de ele estar infectado. O sistema de inteligência artificial analisa os sintomas apresentados, como tosse, sudorese, febre, anorexia e distúrbios de sono, além da idade e da presença de outras doenças, como a Aids.Também informa se o doente se enquadra em algum grupo de risco. O resultado sai na hora. Em quatro anos, o programa já foi testado em 700 pessoas atendidas no hospital da UFRJ e acertou em mais de 85% das vezes. O software pode ser muito útil para que a tuberculose seja descoberta rapidamente, já que os exames laboratoriais são problemáticos.O mais usado, a análise de secreção pulmonar, é impreciso - só dá certo em metade dos casos. O mais eficaz, o de cultura, leva um mês para ficar pronto. "Quanto mais cedo se detecta, mais cedo a pessoa é tratada e pára de infectar os outros", diz o médico Afrânio Kritski, coordenador do programa acadêmico de tuberculose da UFRJ e um dos responsáveis pelo projeto.Os pesquisadores querem implementar o software em postos de saúde, a fim de melhorar a qualidade do atendimento prestado. Três unidades, duas na capital carioca e uma no município de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, deverão receber o equipamento com o programa no início do ano que vem. Os profissionais serão treinados. O intuito é que ele seja utilizado na rede pública em todo o país e que os pacientes sejam acompanhados, para que as informações a seu respeito sejam incluídas num banco de dados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.