Sobrevida de Sarney está nas mãos de Lula

Apoio do petista será decisivo para que o senador do PMDB escolha entre aposentadoria ou tentar a pouco provável reeleição no Amapá

Ricardo Galhardo, O Estado de S. Paulo

01 Junho 2014 | 08h19

Nas próximas semanas, o senador José Sarney (PMDB-AP) vai decidir se concorre à reeleição ou se aposenta das disputas eleitorais. Se escolher a segunda opção, será a primeira vez desde 1965, quando ele foi eleito governador do Maranhão, que nenhum Sarney ocupará cargo majoritário. Já se escolher disputar o sexto mandato no Senado, o ex-presidente enfrentará uma das campanhas mais difíceis em 60 anos de vida pública, com risco real de derrotada nas urnas, e sua sobrevida política dependerá em grande parte de um ex-adversário, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. 

Pesquisas internas encomendadas por políticos locais apontam uma rejeição altíssima ao nome de Sarney. Ele aparece em segundo ou terceiro lugar na disputa ao Senado pelo Amapá, seu domicílio eleitoral, atrás do deputado Davi Alcolumbre (DEM-AP), um comerciante de 36 anos, e próximo da vice-governadora Dora Nascimento (PT), geóloga de 46 anos nascida em uma família de ribeirinhos. 

O cenário político atual também é mais hostil a Sarney do que era em 2006, quando o senador se elegeu em uma disputa apertada, na qual bateu a novata Cristina Almeida (PSB) por menos de 10 mil votos e chegou até a dançar na TV o “marabaixo”, ritmo tradicional do Amapá.

Ao contrário de oito anos atrás, Sarney não conta com o apoio do governo estadual nem da prefeitura de Macapá, nas mãos do PSB e PSOL, respectivamente. 

Pessoas próximas ao senador apontam o apoio do PT e a retirada da pré-candidatura de Dora como fundamentais para que Sarney decida disputar mais uma eleição. O PT do Amapá vai se posicionar oficialmente no dia 14, mas a tendência é apoiar a reeleição do governador Camilo Capiberibe (PSB) e, principalmente, Dora. “A vaga para o Senado é o que nos interessa”, disse a vice-governadora.

O projeto conta com apoio unânime do PT do Amapá, mas a direção nacional tem a prerrogativa de decidir a estratégia eleitoral nos Estados e, se julgar necessário, intervir nos diretórios estaduais a exemplo do que fez em 2010 para garantir a aliança com a governadora Roseana Sarney (PMDB).

Divisão. A direção nacional do PT ainda não se posicionou oficialmente sobre o Amapá, mas está dividida quanto à possibilidade de renovar o apoio a Sarney no Estado. Setores importantes da cúpula petista ligados à corrente majoritária Construindo um Novo Brasil (CNB) estão dispostos a levar a decisão a voto. 

“Vamos sustentar nossa candidatura ao Senado em todas as instâncias do partido”, afirmou Jorge Coelho, um dos vice-presidentes do PT nacional e principal defensor da candidatura de Dora na cúpula petista. 

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Ao contrário de oito anos atrás, Sarney não conta com o apoio do governo estadual nem da prefeitura de Macapá, nas mãos do PSB e PSOL, respectivamente.
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
A executiva nacional do partido é composta por 20 integrantes. Um cardeal petista lembrou que recentemente o presidente nacional da legenda, Rui Falcão, se desentendeu com Roseana Sarney. Em uma reunião do partido realizada em Fortaleza (CE), no início do ano, Falcão disse que foi “maltratado” pela governadora durante um encontro em São Luís. Dias depois, o dirigente disse ter recebido uma ligação de Roseana na qual ambos acertaram os ponteiros.

O principal argumento dos defensores da candidatura própria é a fragilidade política de Sarney no Amapá. “Espero que o ex-presidente compreenda isso e apoie a candidata do PT”, afirmou Coelho.

Interferência. Com o PT do Amapá e parte importante da cúpula nacional contrários ao apoio à reeleição de Sarney, a possível aliança dos petistas com o ex-presidente vai depender da interferência direta de Lula, que até agora não se manifestou ao partido. 

“É lógico que o Lula pode pedir para a gente retirar a candidatura”, admitiu Dora. “Mas se eu não for candidata, outro partido vai lançar alguém no meu lugar e derrotar o Sarney.” 
Para Davi Alcolumbre, a indefinição do ex-presidente aumenta as chances dos adversários. “A dúvida acabou inibindo possíveis candidaturas de pessoas mais comprometidas com Sarney e isso acabou abrindo espaço para surgirem outras candidaturas como a minha”, disse o deputado. 

Sinais. Aos 82 anos, com a saúde fragilizada, Sarney perdeu uma única eleição, a primeira, em 1954, para deputado federal. Acabou tomando posse como suplente no ano seguinte.
Pela lei eleitoral, ele tem até 30 de junho para decidir se vai enfrentar mais uma eleição, mas, segundo pessoas próximas, a decisão será anunciada em no máximo duas semanas. Embora diga a interlocutores que deseja passar mais tempo ao lado da esposa, Marly, em São Luís, o senador tem dado sinais cada vez mais fortes de que não vai pendurar as chuteiras. 

Na quinta-feira ele se reuniu em sua casa em Brasília com o presidente da Assembleia Legislativa, Júnior Favacho (PMDB), o presidente estadual do PSDB, deputado federal Luiz Carlos e os deputados estaduais Sandra Ohana (PP), Michel JK (PSDB) e Bruno Mineiro (PT do B) para tratar da candidatura deste último ao governo do Amapá e, dessa forma, aglutinar forças políticas em torno de seu nome. “Vamos formar uma ampla frente de dez partidos para eleger Bruno ao governo e reeleger o senador Sarney”, disse Favacho.
 
Além disso, Sarney protagonizou o programa partidário do PMDB local e trabalhou no Congresso pela aprovação de uma emenda constitucional que beneficia 30 mil famílias do Estado. 
“Se ele não tiver certeza da vitória, não será candidato porque não quer encerrar a biografia com uma derrota”, avalia o senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP). / COLABOROU ALCINÉIA CAVALCANTE

Mais conteúdo sobre:
Jose Sarney Lula PT Amapa

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.