Sobre uso particular de helicóptero, Alckmin diz que é governador '24 horas'

Voo aconteceu na sexta-feira passada, conforme mostrou reportagem do Estado

Caio do Valle, O Estado de S. Paulo

13 de dezembro de 2012 | 15h57

SÃO PAULO - O governador Geraldo Alckmin (PSDB) se manifestou nesta quinta-feira, 13, a respeito da viagem de helicóptero oficial que fez para um motivo particular, buscar os netos recém-nascidos no Aeroporto Internacional de Guarulhos, na Grande São Paulo. O voo aconteceu na sexta-feira passada, conforme mostrou reportagem do Estado. Ele disse que esse tipo de uso tem embasamento na lei.

"Você é 24 horas governador. Então, a Casa Militar diz como você se desloca, se é de carro, se é de helicóptero. Isso é legal", disse Alckmin ao participar de evento na Cidade Universitária, na zona oeste de São Paulo. Questionado se acredita que isso vale até para situações privadas, o governador respondeu: "Vinte e quatro horas. Se for ao dentista, for a um evento social, 24 horas. Isso é lei. A maneira como é feito, se vai a um lugar de carro, de helicóptero ou de avião é a Casa Militar que define."

Ainda de acordo com ele, isso vale para governadores, presidente da República, vice-presidente e ministros.

A bordo de um helicóptero Sikorsky, modelo S-76 A, matrícula PP-EPF, de propriedade do Estado de São Paulo, o governador e a primeira-dama, Lu Alckmin, partiram do Palácio dos Bandeirantes, na zona oeste, ao encontro da família, que vive no México. Depois de aguardarem os trâmites de alfândega e imigração na aeroporto, voltaram todos para o Palácio dos Bandeirantes. As fotos no aeroporto e no helicóptero foram postadas no Instagram (aplicativo de fotos usado em celulares e que funciona como uma rede social) da primeira-dama, que é aberto para o público.

Em uma das imagens, o governador aparece com um dos netos no colo dentro da aeronave.

Tudo o que sabemos sobre:
Geraldo AlckminPSDBhelicóptero

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.