''Sobre Protógenes, não há indicativo de grampo ilegal''

Às voltas com o convite para assumir a Secretaria de Justiça da Bahia, o relator da CPI dos Grampos, Nelson Pellegrino (PT-BA), diz ainda não ter certeza se vai propor o indiciamento do ex-chefe da Satiagraha, Protógenes Queiroz, em seu relatório final. A uma semana de apresentar o texto final, ele também afirma ter dúvidas em relação ao possível pedido de indiciamento do ex-diretor geral da Abin Paulo Lacerda e do banqueiro Daniel Dantas.O seu primeiro relatório foi considerado pífio pela oposição. O que o sr. pretende fazer agora?Eu não indiciei figuras emblemáticas que passaram pela CPI, como os delegados Protógenes Queiroz e Paulo Lacerda, e o banqueiro Daniel Dantas, porque nós não tínhamos nenhum elemento comprobatório de que eles fizeram interceptações ilegais. No caso do Protógenes, não há nenhum indicativo de interceptações ilegais. E em relação a Lacerda?A única coisa que tinha era uma afirmação do agente da Abin Márcio Seltz de que ele tinha recebido dele um pen drive com conteúdo interceptado. E ele negou.Agora o sr. pedirá indiciamentos?Ainda estou analisando. Em relação ao Protógenes é preciso saber se foi legal ou não os agentes da Abin manusearem conteúdo interceptado. Se eu concluir que não foi legal, ele pode ser indiciado por vazamento. O sr. foi pressionado alguma vez pelo Planalto para abafar a CPI?Jamais. Os sinais foram de que governo não tinha o que temer.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.