Gabriela Bilo/Estadão
Gabriela Bilo/Estadão

Sobe a desaprovação ao governo Bolsonaro, revela Ibope

Avaliação positiva oscilou de 31% para 29% e a parcela de insatisfeitos com a gestão aumentou de 34% para 38%, em relação a levantamento de setembro

Daniel Bramatti, O Estado de S.Paulo

20 de dezembro de 2019 | 14h48
Atualizado 20 de dezembro de 2019 | 22h43

O governo Jair Bolsonaro chega ao final de seu primeiro ano mantendo a tendência de queda gradativa na avaliação positiva e de aumento da insatisfação da população. No início de dezembro, a gestão era considerada ótima ou boa por 29% dos brasileiros, segundo pesquisa CNI/Ibope divulgada nesta sexta-feira, 20. Essa taxa vem oscilando negativamente a cada pesquisa: 35% (abril), 32% (junho), 31% (setembro) e dois pontos porcentuais a menos no resultado atual.  Já a parcela que considera o governo ruim ou péssimo aumentou no mesmo período: 27% (abril), 32% (junho), 34% (setembro) e 38% (dezembro).

Os que veem a gestão como regular são 31%  -  nesse caso há estabilidade em relação aos resultados anteriores. 

Além de medir a taxa de satisfação da população em relação ao governo, o Ibope perguntou aos entrevistados se aprovam ou desaprovam a maneira de governar de Bolsonaro. Nesse caso, sem possibilidade de resposta equidistante como a opção “regular”, 41% disseram aprovar o presidente, contra 53% que o desaprovam. No levantamento anterior as taxas eram, respectivamente, 44% e 50%.

O nível de confiança dos brasileiros em relação ao presidente também foi medido. A pesquisa mostra que 41% confiam em Bolsonaro, e 56% não confiam. 

A insatisfação com os rumos da administração federal é bem maior no segmento feminino. O governo é considerado ruim ou péssimo por 42% das mulheres, taxa dez pontos porcentuais superior à dos homens (32%). Nada menos que seis em cada dez eleitoras não confiam no presidente. No sexo masculino, o eleitorado se divide pela metade entre os que confiam e os que não confiam. 

Também há diferenças significativas de opinião quando se divide o eleitorado por critérios geográficos. No Nordeste, apenas 21% consideram o governo ótimo ou boa. Essa taxa chega a 29%, 32% e 36% nas regiões Sudeste, Norte/Centro-Oeste e Sul, respectivamente. 

O Ibope ouviu 2.000 eleitores que, por suas características de renda, gênero, moradia e educação, representam a população brasileira como um todo. As entrevistas foram feitas em 127 municípios, entre os dias 5 a 8 de dezembro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.