Sob sombra de <i>João de Deus</i>, CNBB define canção do papa

Sacramentado pela Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), o hino de acolhida ao papa Bento XVI para sua passagem no País tem como mote um versículo do livro de São Lucas, "bendito aquele que vem em nome do Senhor", e busca um apelo popular parecido com o famoso A Bênção João de Deus, composto para João Paulo II. Nesta sexta-feira, 16, a orquestra que tocará em São Paulo em 11 de maio, na primeira visita do pontífice ao Brasil, recebe a partitura definitiva do hino de acolhida, retocado pela CNBB, após um processo de escolha que durou meses e que resultou na escolha da composição do frei franciscano Luis Turra. Um coral com cerca de mil integrantes cantará a canção antes e depois da missa do pontífice na capital paulista, no Campo de Marte, zona norte da cidade, onde são esperadas 1,5 milhão de pessoas. Dois dias depois, em Aparecida do Norte, Bento 16 preside a inauguração da V Conferência Geral dos Bispos da América Latina e Caribe. "O grande desafio foi fazer uma canção que fosse tão acolhedora quanto a que fizemos para o papa João Paulo II. Aquela que caiu tanto no gosto popular que a torcida do Fluminense a canta até hoje nas arquibancadas", disse à Reuters o padre Josafá Moraes, responsável pelo processo de escolha. A torcida do Fluminense começou a cantar a música em um jogo contra o Vasco, vencido de virada pelos tricolores, durante a primeira das três visitas do papa João Paulo II (1920-2005) ao Brasil. O antecessor de Bento XVI veio ao País em 1980, 1991 e 1997 em seus quase 27 anos de pontificado. "A nossa preocupação era também ter uma canção condizente com aquilo que estávamos celebrando. Por isso que todas as estrofes falam sobre a primeira encíclica de Bento XVI, a única até agora, ´Deus é Amor´", declarou o padre. Estrofes A música começa com as estrofes "Bento, bendito o que vem em nome do senhor. Bem-vindo, bem-vindo, nosso povo te acolhe com amor". Há ainda 12 repetições da frase "Deus é amor". Apesar de ter sido testada em novembro com as vozes de oito mil pessoas no Santuário Nacional de Aparecida, a canção só foi aprovada pelo conselho permanente da CNBB há alguns dias. Tanto que nem o maestro Ricardo Mielli, que regerá a orquestra de 70 músicos afinada para Bento 16, ouviu o hino até agora. "A letra saiu antes da melodia, que ainda estava sendo acertada até a semana passada. Eu gostaria que tivessem saído as duas juntas, ficamos com menos de tempo, mas a ocasião merece mais capricho e no fim vai dar tudo certo", afirmou, acrescentando que os corais a serem reunidos para cantar para o papa em São Paulo devem vir apenas de paróquias do Estado. Até a escolha da canção, o Santuário de Aparecida, que reúne uma TV, uma rádio e uma editora, solicitou a cantores ligados à CNBB que compusessem a canção de acolhida para Bento XVI. Depois de receberem o material, a direção do santuário, membros da comunidade, músicos profissionais e cantores se juntaram para escolher um entre seis trabalhos finalistas. A Arquidiocese de São Paulo ainda não definiu se o pontífice será recebido com o hino ainda no aeroporto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.