Sob pressão, deputado diz que não entrega relatoria

Sérgio Moraes acusa imprensa e conselheiros de ?acordão? para isolá-lo e afirma que concluirá relatório

Luciana Nunes Leal, BRASÍLIA, O Estadao de S.Paulo

09 de maio de 2009 | 00h00

Depois de dizer que está se lixando para a opinião pública, o deputado Sérgio Moraes (PTB-RS) indicou que também não dá importância para a pressão de outros parlamentares. Na tarde de ontem, ao ser informado de que seria destituído da relatoria do processo contra o deputado Edmar Moreira, o parlamentar gaúcho disse que não deixará o posto. Moraes acusou os conselheiros e a imprensa de promover um "acordão" para isolá-lo e insistiu que não antecipou o parecer final ao dizer que não vê motivos para condenar o colega."Não pedi para ser relator e não vou pedir para sair. Vou fazer meu relatório. Quem quiser que vote contra ou faça um relatório alternativo, como prevê o regulamento. Vão me substituir porque a imprensa queria uma versão e eu dei outra? Não vou aceitar. Querem fazer um grande acordão. A imprensa vai permitir isso? É uma vergonha", reagiu Moraes, em entrevista por telefone.O deputado atacou o corregedor da Câmara, Antonio Carlos Magalhães Neto (DEM-BA), que defendeu a troca do relator. "O tempo do coronel no Rio Grande do Sul terminou há muitos anos", reagiu. "Se minha conduta não está de acordo com o ACM Neto, troca-se o relator? É o fim."Segundo Moraes, os deputados do conselho não queriam a relatoria do caso Moreira, porque temiam ser criticados se concluíssem que o parlamentar processado não deveria perder o mandato. "Ninguém quis ser relator porque sabia que, se falasse a verdade, iria apanhar. Eu falei e estou apanhando."O relator também rejeita a interpretação de que fez um prejulgamento antes mesmo de iniciar a investigação no conselho. "Não antecipei meu voto para ninguém", garantiu. FRASESSérgio MoraesDeputado (PTB-RS)"Não pedi para ser relator e não vou pedir para sair. Eu não saio. Vou fazer meu relatório. Quem quiser vote contra ou faça um relatório alternativo"ACM Neto Deputado (DEM-BA)"O tempo do coronel no Rio Grande do Sul terminou há muitos anos"

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.